PGmidia1

28 de out de 2010

Dengue desvaloriza Imóveis na Baixada Santista.


Quem quer morar num lugar infestado por mosquitos da dengue?

As nove cidades da região concentraram 20% dos casos do total estadual neste ano , quando houve a pior epidemia da história. Foram 81 dos 120 óbitos no ano ocorridos no Estado, conforme dados da Vigilância Epidemiológica paulista. 70% dos pacientes santistas que morreram tiveram a dengue diagnosticada após passar mais de uma vez por uma unidade de saúde. Uma cidade ficou esperando a outra decretar estado de epidemia, um absurdo. Mataram deliberadamente 81 pessoas. Os prefeitos assumiram o risco, e agora Ministério Público? Não vão apurar o extermínio? 81 pessoas, 81 pessoas, 81 pessoas, uma delas poderia ser seu filho, sua filha . E a imprensa? Ridículo. A maioria dos que morreram eram pobres e pobre não compra jornal. Marcos Caseiro é médico infectologista e se diz decepcionado e afirma "O número de mortes que ocorreu na Baixada Santista é inaceitável, uma vergonha. A volta de um sorotipo da dengue não justifica isso." Ricardo Hayden, infectologista especialista no assunto diz "Houve um imenso despreparo ( das equipes das redes pública e particular de saúde). O secretário estadual da saúde Nilson Ferraz Paschoa veio a Santos e disse que a situação estava normal, apesar dos prontos - socorros lotados de gente com dengue.

O levantamento é o seguinte:

Localidade

Bertioga - casos confirmados 761 - Mortes 1

Cubatão - casos confirmados1.730 - Mortes 2

Guarujá - casos confirmados 9.288 - Mortes 28

Itanhaém - casos confirmados 148 - Mortes 1

Mongaguá - confirmados 112 - Mortes 1

Peruíbe - casos confirmados 622 - Mortes 0

Praia Grande - casos confirmados 5.300 - Mortes 9

Santos - confirmados 9.467 - Mortes 23

São Vicente - casos confirmados 4.019 - Mortes 16

Baixada Santista -casos confirmados 31.447 - Mortes 81


Não há como desenvolver uma região com esse tipo de gente. Administradores públicos preocupados única e exclusivamente consigo mesmos. É preciso tirar esses facínoras da administração pública.

PGmidia