boo-box

PGmidia1

17 de abr de 2013

Praia Grande tem maior potencial de crescimento da Baixada Santista

Comprar um imóvel na praia pode ser uma boa opção de investimento. Os municípios que fazem parte da região metropolitana da Baixada Santista estão passando por um boom
imobiliário. Uma ideia de como o setor está aquecido é o número de imóveis colocados venda nos últimos anos, mais de seis mil apartamentos na Praia Grande. Alguns fatores impulsionam o seu desenvolvimento, como as ações públicas direcionadas à melhora da infraestrutura urbana e dos serviços oferecidos à população; a expectativa dos ganhos econômicos em função da exploração de petróleo e gás na Bacia de Santos, o Pré-sal, que aumentou a presença de grandes construtoras na cidade.
Além disso, a Praia Grande se destaca com o maior crescimento demográfico da localidade, que na última década foi de aproximadamente 34%. O dado é referente ao último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que em 2010 contabilizou uma população de 260.769, contra 193.582, em 2001. Nesse ritmo, em 2018, o município terá em torno de meio milhão de habitantes.
O departamento de economia do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) e Robert Michel Zarif-Assessoria Econômica Ltda. realizaram, em parceria, o Estudo do Mercado Imobiliário da Baixada Santista. A pesquisa foi encomendada pelo próprio Secovi, já que a região apresenta um grande potencial de crescimento.
O estudo quantificou o mercado imobiliário e mediu o desempenho de comercialização de residências novas, entre 2007 e 2011, nos municípios de Santos, São Vicente, Guarujá e Praia Grande. Segmentou por imóveis verticais e horizontais; número de dormitórios, tamanho da unidade; preço de venda e padrão (com ou sem elevador).
Entre o período analisado foram lançados na Praia Grande, 6.655 apartamentos, sendo 3.907 com dois dormitórios, ficando atrás apenas da cidade de Santos nesse quesito. Em toda a Baixada houve a construção de 20.542 unidades com destaque para as de dois quartos que representaram 42,8% do total, seguidas pelas de três, com 36,6%. Os empreendimentos verticais correspondem por 98,8% da oferta.
Predominam as unidades com metragens de 86 a 130 metros quadrados (37%) e as de 66 a 85 metros quadrados (33%). Em relação ao valor, 70% dos lançamentos são comercializados com preços superiores a R$ 500 mil. Quanto à performance de vendas, o segmento com o melhor desempenho foi o de dois dormitórios, com giro de 16% ao mês. 


PGmidia